Louise Brooks
"Não existe Garbo. Não existe Dietrich. Existe apenas Louise Brooks." (Henri Langlois)

 

 



Galeria de fotos
Galeria de vídeos
Biografia

 


 links

Quem foi Louise Brooks
fanpix.net - fotos
Louise Brooks society
 


Abaixo, minha música/vídeo
em homenagem à Louise


  

                                                                                           

 

                                                                                 

 

    

                                                                                                                                                      
 O que explica que uma quase desconhecida personalidade do cinema mudo, ignorada durante tanto tempo, torne-se, a cada dia mais, uma febre mundial?

      O que existe naquelas antigas fotografias cor sépia, ou nas precárias imagens dos remanescentes filmes mudos, que justifique este interesse, curiosidade ou admiração, em pessoas de lugares tão diferentes? Os nomes Greta Garbo, ou Marlene Dietrich, são famosos, mas quem foi Louise Brooks? Se ela foi considerada melhor que estas outras atrizes, porque caiu no esquecimento, e porque agora ressurgiu?

      Louise Brooks foi, sem dúvida, uma atriz à frente de seu tempo. Dona de uma beleza incomum, também era dotada de uma personalidade fortíssima, e uma vontade determinada. Numa época em que a maioria dos atores e atrizes, para ter trabalho, tornavam-se submissos e eram explorados ao máximo, mal pagos, e freqüentemente nem tinham seus nomes exibidos nos créditos dos filmes, o seu temperamento era por demais explosivo, e Louise, ao não aceitar as normas vigentes na ainda jovem Hollywood, incomodou muito aos donos de estúdios, o que, de certa forma, explica o porquê dela ter sido colocada de lado por tantos anos.

       Mary Louise Brooks teve uma carreira breve em Hollywood, tendo participado de 24 filmes entre os anos 1925 e 1938. Sua imagem e atitudes permanecem, no entanto, como símbolos de uma época, e uma de suas características mais lembradas será sempre o corte de cabelo liso e curto, que lançou moda e tornou-se um ícone dos anos 20.

      Num mundo onde a mídia fornece acesso imediato a qualquer novidade, e onde as mesmas são consumidas e substituídas rapidamente, é surpreendente observar como uma personagem do início do século, atriz do cinema mudo, pode ser redescoberta e tornar-se a cada dia mais popular, a ponto mesmo de competir com personagens atuais. Se isto significa algo, nenhuma outra atriz do cinema mudo tem maior número de sites na Internet dedicados à ela do que Louise Brooks.

      Surpreendente também é a capacidade que suas imagens tem de prender a atenção das pessoas, sem que elas nem sequer saibam de quem se trata. Os relatos são muito semelhantes. Um fã diz ter encontrado uma foto daquela desconhecida em uma loja de antiguidades, entre tantas outras, e diz que sentiu uma compulsão em comprar aquela fotografia e tentar descobrir quem era a garota. Outro diz que cresceu enfeitiçado por uma fotografia que seu pai tinha colada na parede da sala, e que, após adulto, não descansou até descobrir quem era.

      Se apenas um filme pudesse ser selecionado para lembrar seu trabalho, este não seria nenhum dos produzidos em Hollywood, mas sim A Caixa de Pandora, rodado na Alemanha e considerado um clássico. Nesta produção de 110 minutos de duração, disponível em DVD pela Magnus Opus Vídeo, Louise interpreta Lulu, uma mulher sedutora, que hipnotiza e destrói todos os homens que se aproximam dela. Há quem diga que sua tumultuada vida amorosa, teria lhe servido de inspiração para a personagem, pois de fato Louise teve muitos romances, sendo o mais famoso com Charles Chaplin.

      Em 1955, na exposição 60 Anos de Cinema realizada no Museu de Arte Moderna, em Paris, foi colocado na entrada do prédio, em grande destaque, um imenso pôster de Louise. Perguntado porque havia escolhido Louise para aquela posição de honra, no lugar de Greta Garbo ou Marlene Dietrich, atrizes bem mais populares, o diretor da Cinemateque Française, Henri Langlois, fez a declaração que se tornaria eterna: “Não existe Garbo. Não existe Dietrich. Existe apenas Louise Brooks”.

      Ultimamente, com seus filmes sendo restaurados e lançados em vídeo, com os especiais na TV sobre sua vida e seu trabalho, e mais recentemente, com todos os sites da Internet dedicados à ela, existe uma clara tentativa de reencontrar a magia e o fascínio que ela exerceu como nenhuma outra diva do cinema, na tela e na vida real. Talvez ela esteja finalmente começando a receber o merecido crédito por sua carreira, e por sua coragem em ter sido a primeira mulher a desafiar os tubarões de Hollywood. Ou talvez aquele seu antigo poder enfeitiçante esteja agora espalhando-se pela Internet…

Fonte:

http://cinezine.com.br/sem-categoria/divas-do-cinema-louise-brooks/


 

 

 

 

 

 

 


 

hit counter for myspace